PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCE 2% EM MINAS

A produção industrial mineira voltou a crescer em abril. Em relação a março foi apurada alta de 0,5%, enquanto frente a igual período do ano passado registrou queda de 2,6%. Esse foi o primeiro recuo na comparação mensal após quatro crescimentos consecutivos neste tipo de confronto. Com isso, o parque industrial do Estado registrou crescimento de 2% no período de janeiro a abril de 2017. Já no acumulado dos últimos 12 meses o índice já está negativo em 4,6%.

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os principais destaques positivos no Estado ocorreram na indústria extrativa e no setor de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos.
Em âmbito nacional, em abril, na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial recuou 4,5%, sendo que cinco dos 14 locais pesquisados apontaram aumento no ritmo de produção. Os destaques ocorreram em Santa Catarina (1,2%), região Nordeste e Pernambuco (ambos com 0,6%, mesmo índice do Brasil). Por outro lado, Amazonas, Rio de Janeiro (ambos com queda de 1,9%) e Paraná (-1,6%) apontaram os resultados negativos mais acentuados nesse mês.

No caso de Minas, observou-se que, no recuo de 2,6% em abril deste ano no confronto com igual mês do ano anterior, dez das 13 atividades pesquisadas apontam queda na produção.

Os principais impactos negativos sobre a média global da indústria do Estado foram registrados pelos setores de produtos alimentícios (-7,5%) e de veículos automotores, reboques e carrocerias (-10,5%). Além disso, outras baixas importantes foram observadas nos ramos de produtos minerais não metálicos (-5,9%), de outros produtos químicos (-8,7%) e de coque, produtos derivados de petróleo e biocombustíveis (-2,7%).

Somente as atividades de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos, tiveram aumento de 1,6% e fabricação de produtos têxteis, de 0,4%.

Acumulado – Quando considerado o acumulado dos quatro primeiros meses do ano, período em que a produção do Estado registrou avanço de 2%, o destaque mais uma vez ficou com a indústria extrativa (14,2%), assim como a fabricação de máquinas e equipamentos (10,6%) e de produtos têxteis (8,6%).

Ainda permaneceram em queda no primeiro quadrimestre de 2017 a fabricação de produtos de metal, exceto máquina e equipamentos (-6,3%), fabricação de produtos alimentícios (-4%), fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (3,7%), entre outros.
Por fim, no acumulado dos últimos 12 meses, quando o índice do Estado já está negativo em 4,6%, o principal destaque positivo é a fabricação de produtos têxteis, com crescimento de 11,1%, seguida da fabricação de bebidas, com 4,5% e da fabricação de outros produtos químicos, com 4,4%.

Na outra ponta, produtos de metal, exceto máquina e equipamentos é o segmento com pior desempenho com queda de 11% na produção. Logo em seguida aparece a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, com retração de 5,9%. Fonte: Jornal Diário do Comércio