PRODUÇÃO DE MINAS TEM QUEDA DE 2,8%

A produção industrial mineira voltou a cair em fevereiro. Em relação ao mês anterior foi observado recuo de 2,8%, enquanto frente a igual período do ano passado a queda foi ainda mais intensa e chegou a 6,4%. Com isso, o parque industrial do Estado acumulou perda de 1,4% no primeiro bimestre na comparação com a mesma época de 2017. Por outro lado, nos últimos 12 meses o índice apresentou crescimento de 0,7%, sétimo resultado positivo consecutivo e sinal de manutenção da trajetória ascendente iniciada em outubro de 2016 (-7,9%).

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os principais destaques negativos no Estado vieram dos setores extrativo mineral e de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis.
Em âmbito nacional, oito dos 15 locais pesquisados apresentaram taxas negativas em fevereiro na comparação com o mês imediatamente anterior, com destaque para o recuo mais acentuado registrado no Pará (-10,9%). Em seguida, Amazonas (-5,9%) e Mato Grosso (-4,4%) ao lado de Minas foram os estados que assinalaram as taxas negativas mais acentuadas no segundo mês de 2018, ainda em relação ao mês anterior. Cabe destacar que, à exceção de Mato Grosso (que apresentou queda de 0,5% no mês anterior), estes estados reverteram resultados positivos de janeiro, na mesma comparação.

A economista do IBGE Minas, Cláudia Pinelli, disse que os resultados negativos foram surpreendentes, tanto no caso do Estado quanto nas demais Unidades da Federação. Segundo ela, a maioria vinha apresentando resultados positivos como sinais do início de uma recuperação da economia, mesmo que oscilando em alguns meses, como Minas Gerais.

“Na comparação com o mês imediatamente anterior, Minas teve resultado positivo em novembro e janeiro; em dezembro houve uma pequena retração. Já na análise mensal, foram registrados crescimentos em outubro, novembro e janeiro, sempre com indicadores positivos bastante elevados. Em dezembro também se observou uma queda”, citou.
De toda maneira, Cláudia Pinelli ressaltou que se trata apenas do segundo mês de 2018 e que ainda é cedo para traçar quaisquer perspectivas para o setor produtivo no decorrer do ano. “É preciso aguardar os próximos meses e resultados para termos uma noção do que irá acontecer”, disse.

Quando considerados os setores, no índice mensal, a queda de 6,4% na produção industrial mineira foi impactada pelos resultados negativos em sete das treze atividades pesquisadas. As principais influências sobre a média foram observadas nos setores de indústrias extrativas (-21,2%), produtos de metal (-20%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-14,6%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-8,8%).

Ainda conforme o levantamento, na outra ponta, destacaram-se as atividades de máquinas e equipamentos (18,9%), metalurgia (9,5%), produtos alimentícios (2,3%) e produtos de minerais não metálicos (2,1%). Fonte: Jornal Diário do Comércio