O Plástico

Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas polímeros, que, por sua vez, são formadas por moléculas menores, chamadas monômeros.

Os plásticos são produzidos através de um processo químico chamado polimerização, que proporciona a união química de monômeros para formar polímeros.

Os polímeros podem ser naturais ou sintéticos. Os naturais, tais como algodão, madeira, cabelos, chifre de boi, látex, entre outros, são comuns em plantas e animais. Os sintéticos, tais como os plásticos, são obtidos pelo homem através de reações químicas.

O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico.

Colorful plastic masterbatch polymer granules

Utilizações e Benefícios

Utilizados em quase todos os setores da economia, tais como: construção civil, agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer, telecomunicações, eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição de energia.

Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na drenagem, no controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, em tanques industriais, entre outras utilidades.

O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade.

Plástico Verde

Utilizados em quase todos os setores da economia, tais como: construção civil, agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer, telecomunicações, eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição de energia.

Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na drenagem, no controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, em tanques industriais, entre outras utilidades.

O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade.

Vantagens do uso de Plásticos

  • Menor consumo de energia na sua produção.
  • Redução do peso do lixo.
  • Menor custo de coleta e destino final.
  • Poucos riscos no manuseio.
  • Além de práticos, são totalmente recicláveis.

Matéria-prima

matéria-prima dos plásticos é o petróleo. Este é formado por uma complexa mistura de compostos. Pelo fato de estes compostos possuírem diferentes temperaturas de ebulição, é possível separá-los através de um processo conhecido como destilação ou craqueamento.

A fração nafta é fornecida para as centrais petroquímicas, onde passa por uma série de processos, dando origem aos principais monômeros, como, por exemplo, o eteno.

Fonte: www.cetsam.senai.br/bolsa

Tipos de Plásticos

Termoplásticos:

São plásticos que não sofrem alterações em sua estrutura química durante o aquecimento e que após o resfriamento podem ser novamente moldados. Exemplos: Polipropileno (PP), Polietileno de Alta Densidade (PEAD), Polietileno de Baixa densidade (PEBD), Polietilenotereftalato (PET), Poliestireno (PS), Policloreto de Vinila (PVC), etc.

Termofixos:

São aqueles que uma vez moldados não podem ser fundidos e remoldados novamente, portanto não são recicláveis mecanicamente. Exemplos: baquelite, Poliuretanos (PU) e Poliacetato de Etileno Vinil (EVA), poliésteres, resinas fenólicas, etc.

Quem são eles

Polietileno tereftalato — PET

Polietileno tereftalato — PET

Produtos: frascos e garrafas para uso alimentício/hospitalar, cosméticos, bandejas para microondas, filmes para áudio e vídeo, fibras têxteis, etc.

Polietileno de alta densidade — PEAD

Polietileno de alta densidade — PEAD

Produtos: embalagens para detergentes e óleos automotivos, sacolas de supermercados, garrafeiras, tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, etc.

Policloreto de vinila — PVC

Policloreto de vinila — PVC

Produtos: embalagens para água mineral, óleos comestíveis, maioneses, sucos. Perfis para janelas, tubulações de água e esgotos, mangueiras, embalagens para remédios, brinquedos, bolsas de sangue, material hospitalar, etc.

Polietileno de baixa densidade — PEBD / Polietileno linear de baixa densidade — PELBD

Polietileno de baixa densidade — PEBD / Polietileno linear de baixa densidade — PELBD

Produtos: sacolas para supermercados e lojas, filmes para embalar leite e outros alimentos, sacaria industrial, filmes para fraldas descartáveis, bolsa para soro medicinal, sacos de lixo, etc.

Polipropileno — PP

Polipropileno — PP

Produtos: filmes para embalagens e alimentos, embalagens industriais, cordas, tubos para água quente, fios e cabos, frascos, caixas de bebidas, autopeças, fibras para tapetes e utilidades domésticas, potes, fraldas e seringas descartáveis, etc.

Poliestireno — PS

Poliestireno — PS

Produtos: potes para iogurtes, sorvetes, doces, frascos, bandejas de supermercados, geladeiras (parte interna da porta), pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, brinquedos, etc.

Outros:

Outros:

ABS/SAN, EVA e PA. entre outros Produtos: solados, autopeças, chinelos, pneus, acessórios esportivos e náuticos, plásticos especiais e de engenharia, CDs, eletrodomésticos, corpos de computadores, etc.

Fonte: www.cetsam.senai.br/bolsa

Processo de Moldagem

Os produtos plásticos podem ser moldados em vários processos fabris, sendo:

Processos mecânicos de moldagem, onde as diversas resinas poliméricas em formato de grânulos, matéria-prima, depois de aquecidas podem ser processadas pelos métodos de :

Extrusão:

A matéria-prima amolecida é expulsa através de uma matriz instalada no equipamento denominada extrusora, produzindo um produto que conserva a sua forma ao longo de sua extensão. Os produtos flexíveis, como embalagens, sacolas, sacos e bobinas também conhecidos como filme, após o processo de extrusão, podem ser gravados sendo modelados o produto final com soldas e cortes. Os produtos rígidos ou semi-rígidos, como tubos, perfis, mangueiras e chapas, tem o mesmo processo, havendo mudança da matéria-prima e matriz.

Injeção:

A matéria-prima amolecida pelo calor e sob pressão é injetada através de pequenos orifícios do molde, modelo do produto a ser fabricado, instalado num equipamento denominado injetora. O produto, depois de resfriado suficiente para manter a forma e  medidas necessárias, é extraído do molde.

Sopro:

A matéria-prima amolecida pelo calor é expulsa através de uma matriz e ou fieira, formando uma mangueira quando o molde fecha sobre esta mangueira é introduzido uma agulha onde o ar é soprado, que força o material a ocupar as paredes ocas do molde, sendo moldada então a peça e após resfriamento extraída.

Injeção / Sopro – Pré-forma:

é um processo conjugado de injeção e sopro. Desenvolvido para moldar a matéria-prima PET. A resina Pet tem características muito peculiares, onde o produto pode ser moldado em dois processos distintos, sem comprometer suas características de resistência e transparência. A matéria-prima Pet é injetada mantendo o formato de uma embalagem, sem nenhum ar internamente, denominada preforma. Quando aquecida no segundo processo, dentro do equipamento próprio e especial, o ar é soprado internamente tomando o formato do produto final. Este processo é para produtos de frascaria, usados em refrigerantes, água mineral. Possui alto índice de transparência e bom desempenho no envase de gaseificados.

Rotomolagem:

A matéria-prima fluída e sob rotação modela os produtos. Este processo é muito utilizado nas resinas elastoméricas (emborrachado) para produzir cabeças de bonecas, peças ocas, câmeras de bola, grandes contenair, peças rígidas de alta complexidade na extração do molde.

Fundição:

é um processo para baixa produção, quase sempre utilizado protótipos. Consiste em despejar a resina líquida adicionada a outras substâncias enrijecedotas dentro de um molde. Na fundição podem ser utilizadas tanto resinas termoplásticas como resinas termorrígidas, mesmo que termofixas, não é empregado aquecimento ou pressão. Este método é usado para a produção de brindes, pequenos adornos, dentre outros.

Termoformagem:

Moldagem de produtos a partir do aquecimento de uma chapa de resina termoplástica, que introduzida no molde fixado em uma prensa e acionado molda o produto. A moldagem pode ser feita com a utilização de ar quente, o qual suga a chapa dentro da cavidade ou aquecimento do molde, moldando a chapa sem utilização de ar. Este processo é utilizado na maioria dos produtos de vasilhames descartáveis, como copos, pratos, etc…

Existem ainda os processos complementares tipo caladragem com ou sem laminação, onde são agregados outros materiais não plásticos como tecidos, metais para produção de mancais, isolantes, toalhas de mesa, bem como embalagens de várias camadas com papel, metal e outros.

Laminação:

Este processo com superposição de materiais como papel, papelão, metais, previamente tratados com resina termoplástica, forma um “sanduíche” que é prensado com aquecimento, proporcionando a aderência total das camadas, resultando em produtos altamente resistentes. Havendo indicação técnica em ter as espessuras uniformes e ou dimensionalmente controladas utiliza-se o sistema de caladragem, ou seja o estiramento por dois ou mais cilindros.

Plástico Verde

A SUSTENTABILIDADE

A sustentabilidade é tema em vários debates dos meios acadêmicos e entidades ligadas ao meio ambiente. Atualmente, este assunto é pauta nos meios empresariais mais antenados com as mudanças na gestão e principalmente na manutenção dos recursos naturais.

Mas afinal, o que é sustentabilidade? Segundo o Aurélio “Sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana”. Ela se propõe a ser um meio de ajuste entre o indivíduo, a sociedade e as formas de atividades econômicas, suprindo suas demandas. Ao mesmo tempo, em que se trabalha o potencial produtivo no presente, planeja-se o futuro para o não esgotamento dos recursos naturais, conseqüentemente, da matéria prima.

A sustentabilidade abrange vários níveis de organização: desde a vizinhança local até o planeta inteiro. Portanto, chamamos a atenção para este tema, que já é uma realidade na gestão empresarial, para descobrimos formas conscientes de produzir com qualidade e usar o conhecimento e a criatividade para manter os recursos naturais, fonte da nossa produção.

Green city
Leere Stadionsitze

O PLÁSTICO VERDE

O plástico está presente nos mais diferentes produtos e são utilizados em quase todos os setores da economia, se destacando pela redução do consumo de energia em sua produção e por serem recicláveis.

A fabricação de plástico reciclado economiza 70% de energia, considerando todo o processo desde a exploração da matéria prima até a formação do produto final. São infinitas as suas aplicações, tanto nos novos, quanto nos tradicionais mercados das resinas virgens. Podemos utilizar o plástico verde, ou reciclado, na fabricação de: garrafas e frascos, exceto para contato direto com alimentos e fármacos, baldes, cabides, pentes e outros artefatos produzidos pelo processo de injeção, madeira plástica, cerdas, vassouras, escovas e outros produtos que sejam produzidos com fibras,sacolas,outros tipos de filmes e painéis para a construção civil.

A nova gestão empresarial tem como principio básico a sustentabilidade e a inovação, portanto, produzir o plástico de maneira sustentável é promover a reeducação ambiental em nossa sociedade, estimulando a consciência do seu uso correto e manuseio.

RECICLAGEM DO PLÁSTICO

“Há três tipos de reciclagem de plástico: a química, a mecânica e a energética. O Brasil situa-se entre os três principais países em volume de plástico reprocessado por reciclagem mecânica.

– Na reciclagem mecânica, o plástico usado é transformado em grãos para serem reaproveitados na fabricação de outros produtos: embalagens não-alimentícias, fibras, componentes automotivos, sacos de lixo, conduítes, etc.

– Com a reciclagem química é possível conseguir matéria-prima básica que será utilizada na produção de novos plásticos, com a mesma qualidade de um produto virgem.

– Já a reciclagem energética utiliza os plásticos usados e descartados como combustível para produzir energia elétrica. Esse tipo de reciclagem é muito comum na Europa, Japão e Estados Unidos, lugares onde a tecnologia para esse fim é bem desenvolvida e os controles de emissão de poluentes são rígidos.”

Fonte: www.braskem.com.br

Children Outdoor Playground in Selangor, Malaysia
Kleine Grnpflanze in einer Glhlampe

O PLÁSTICO E A GERAÇÃO DE ENERGIA

  • A presença dos plásticos é de vital importância, pois aumenta o rendimento da incineração de resíduos municipais.
  • O calor pode ser recuperado em caldeira, utilizando o vapor para geração de energia elétrica e/ou aquecimento.
  • Testes em escala real na Europa comprovaram os bons resultados da co-combustão dos resíduos de plásticos com carvão, turfa e madeira, tanto técnica, econômica, como ambientalmente.
  • A queima de plásticos em processos de reciclagem energética reduz o uso de combustíveis (economia de recursos naturais).
  • A reciclagem energética é realizada em diversos países da Europa, EUA e Japão e utiliza equipamentos da mais alta tecnologia, cujos controles de emissão são rigidamente seguros, anulando riscos à saúde ou ao meio ambiente.

Fonte: www.cetsam.senai.br/bolsa

COLETA SELETIVA

Coleta Seletiva é o sistema de recolhimento de materiais recicláveis, tais como papéis, plásticos, vidros, metais e orgânicos, previamente separados na fonte geradora. Estes materiais são vendidos às indústrias recicladoras ou aos sucateiros.

O sucesso da coleta seletiva está diretamente associado aos investimentos feitos para sensibilização e conscientização da população. Normalmente, quanto maior a participação voluntária em programas de coleta seletiva, menor é seu custo de administração. Não se pode esquecer também a existência do mercado para os recicláveis.

fotolia_80655558