INDÚSTRIA: PRODUÇÃO TEM A QUARTA ALTA CONSECUTIVA EM MINAS GERAIS

Impulsionada pelos segmentos alimentício e automotivo, a produção industrial de Minas Gerais cresceu em agosto. No oitavo mês do ano, o indicador que mede o nível de atividade do setor subiu 1,5% frente a igual período de 2016. A alta foi a quarta consecutiva nesta base de comparação. No acumulado em 12 meses, o desempenho também foi positivo (0,2%) e interrompeu, pela primeira vez desde maio de 2014 (-0,6%), a sequência de resultados negativos neste tipo de confronto no Estado. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os números favoráveis reforçam entre os especialistas a confiança na recuperação do setor em 2017. A gerente de estudos econômicos da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Daniela Britto, revela que a entidade já aposta, inclusive, no aumento da produção do segmento para este ano.

“Nas projeções da Fiemg, estimamos um crescimento da produção em Minas em torno de 2% em 2017, puxado pela indústria extrativa. Mas a gente espera que a indústria de transformação também tenha desempenho positivo, perto de 1,3%. A extrativa deve fechar em 4,7%”, avalia Daniela Britto.

Em agosto, no confronto com o mesmo mês em 2016, nove das 13 atividades da indústria analisadas pelo IBGE apresentaram incremento na produção em Minas Gerais. Os grandes destaques foram os segmentos alimentício e de veículos automotores, reboques e carrocerias, que tiveram aumento de 5,2% e 14,1%, respectivamente. O açúcar VHP e cristal e carnes de bovinos congeladas, no primeiro grupo, e os veículos para transporte de mercadorias, no segundo, foram os produtos que impulsionaram os trabalhos nas fábricas mineiras.

O maior nível da atividade na indústria automotiva é explicado não só pelo aumento das exportações, mas também pelo maior consumo do mercado interno. Último levantamento feito pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) mostra que, em setembro, a venda de veículos novos em Minas Gerais avançou 45,12% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

“A indústria automotiva está experimentando um crescimento das vendas em função da queda da inflação, da redução da taxa de juros e do processo de estabilização no mercado de trabalho. Tudo isso tem favorecido o recuo no endividamento das famílias e à disposição das pessoas em comprar veículos”, pondera a gerente de estudos econômicos da Fiemg.

Acumulado – No acumulado do ano, a produção industrial no Estado teve alta de 2,0% no confronto com o mesmo intervalo de 2016. Sete dos treze segmentos pesquisados apresentaram maior nível de atividade. A contribuição principal, neste caso, veio da indústria extrativa, que avançou 7,4%, influenciada pelos itens minérios de ferro em bruto ou beneficiados. Os ramos alimentício (1,3%) e de veículos (2,6%) também impactaram o indicador positivamente mais uma vez.

A variação mensal foi a única que sinalizou recuo da produção em Minas. Na passagem de julho para agosto, o indicador caiu 0,7%. A retração foi a segunda consecutiva neste tipo de confronto, já que julho havia sido de queda de 0,9%. A sequência, de acordo com Daniela Britto, não é motivo para preocupação e nem deve atrapalhar a retomada do setor no Estado. “São fatores pontuais que, na nossa avaliação, não revertem a tendência de recuperação da indústria de Minas”, afirma.

O crescimento na produção industrial mineira acompanha o aumento do consumo no Estado. Dados do IBGE mostram que o varejo restrito está em alta em 2017 em Minas, onde, no acumulado do ano, registra avanço de 3,8%. Fonte: Jornal Diário do Comércio

Publicidade