EMPRESÁRIOS ESTÃO OTIMISTAS COM O DESEMPENHO DO SETOR INDUSTRIAL

Impulsionado principalmente pelas expectativas positivas das empresas de grande porte para os negócios nos próximos seis meses, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) de Minas alcançou 55,1 pontos em outubro, mostrando otimismo pelo segundo mês consecutivo. Em setembro, o indicador foi de 55 pontos. No comparativo com outubro do ano passado (50,2 pontos), o índice avançou 4,9 pontos. Os dados foram divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

De acordo com a economista da Fiemg Annelise Fonseca, a confiança demonstrada pelas empresas de grande porte é um fator especialmente positivo, pois elas puxam a cadeia produtiva. Além disso, a consolidação da confiança na retomada da atividade pode levar a investimentos, o que é primordial para o processo da recuperação econômica. “Com a recuperação da confiança, é possível que os empresários voltem a investir, o que leva à consolidação do processo de recuperação econômica”, diz.

O Icei é composto pela avaliação do empresariado sobre as condições atuais de negócios e também pelas expectativas para os próximos seis meses. Quanto à situação atual, o índice de outubro ficou em 49,1 pontos, ainda demonstrando cautela por parte do empresariado. Já o índice de expectativa ficou em 58 pontos. Com isso, a média geral ficou em 55,1 pontos. Os indicadores variam de 0 a 100, sendo que valores acima de 50 pontos indicam confiança.

Quanto às condições atuais de negócios, as avaliações foram negativas quanto à economia brasileira e economia mineira, com índices, respectivamente, de 48,4 pontos e 45,6 pontos. Já em relação à própria empresa, o indicador foi de 50,1 pontos.

O levantamento apontou que, com relação às expectativas para os próximos seis meses, todos os índices mostraram otimismo. Quanto à economia brasileira, o indicador ficou em 53,8 pontos. Em relação à economia do Estado, foi de 50,9 pontos. O destaque fica sobre a avaliação do desempenho da própria empresa nos próximos meses, que atingiu 60,9 pontos.

“Os empresários ainda estão insatisfeitos com as condições de negócios no Estado e País, mas o indicador mostra uma melhora gradativa”, diz a economista. Ainda de acordo com a Annelise Fonseca, a percepção positiva dos empresários tem relação com a melhoria de indicadores macroeconômicos, como ancoragem da inflação e queda dos juros.

Porte – De acordo com o levantamento, o empresariado da indústria de grande porte é o que está mais otimista, com o Icei de outubro ficando em 59,7 pontos. Quanto às condições atuais de negócios, a avaliação ficou em 53,6 pontos. Em relação às expectativas, o índice atingiu 62,7 pontos.

As empresas de médio porte apresentaram Icei de 51,9 pontos em outubro, sendo que a avaliação da situação atual ficou em 45,6 pontos. As expectativas chegaram a 55 pontos. Já as pequenas empresas ainda demonstram cautela, com Icei de 49,2 pontos. Quanto às condições atuais, o índice ficou em 43,9 pontos, sendo que as expectativas para os próximos seis meses chegaram a 51,9 pontos.

Annelise ressalta que após as delações do empresário Joesley Batista, da JBS, ocorridas em maio, o Icei sofreu quedas, com resultados negativos em junho, julho e agosto. Segundo ela, como o Icei vem apontando otimismo, mesmo num quadro de instabilidade política, pode ser que esteja ocorrendo um descolamento da percepção sobre a situação política e sobre a recuperação da atividade econômica.

A pesquisadora ressalta ainda que o Icei de Minas ficou bem próximo do nacional, que foi de 56 pontos em outubro e completou 10 meses consecutivos acima de 50 pontos. Fonte: Jornal Diário do Comércio