CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO AVANÇA 1,2 PONTO

A confiança do empresário industrial registrou índices positivos em maio, pelo nono mês consecutivo. Neste mês, o Índice de Confiança do Empresário Industrial de Minas Gerais (Icei/MG) foi de 54,2 pontos, acima da linha dos 50 pontos e também maior do que os 53 pontos registrados em abril, o que indica otimismo. A pesquisa é da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

O Icei mostrou que, em maio, os industriais mineiros estão otimistas em relação ao futuro, com expectativas chegando aos 56,3 pontos, 1,2 ponto a mais que em abril. A expectativa é positiva em relação à economia brasileira (51,5 pontos), à da própria empresa (59,3 pontos), mas, em relação à situação do Estado, foi apurado pessimismo (49,3 pontos).

Na divisão por porte de empresas, as expectativas foram positivas em todos os casos. Nas pequenas e nas médias, as expectativas fecharam maio em 54,2 pontos e nas grandes, em 58,5. Especificamente em relação à economia brasileira, somente as pequenas não projetam melhora no cenário econômico.

Para a analista de Estudos Econômicos da Fiemg, Daniela Muniz, a proximidade com as eleições é o principal fator que tem feito a confiança do empresário industrial mineiro oscilar. “Está ocorrendo uma grande oscilação no indicador mês a mês. Essas variações são atribuídas às eleições, com um cenário ainda incerto de candidatos. Mal sabemos os candidatos que vão concorrer”, disse.

Outro fator que na avaliação da analista da Fiemg pode estar influenciando o comportamento do industrial mineiro é que a aguardada recuperação da economia nacional está acontecendo de forma mais lenta do que o esperado. “Isso afeta o humor dos empresários, porque influencia diretamente no dia a dia dos negócios deles”, afirmou.

Em relação às condições atuais de negócio, os empresários estão insatisfeitos e o índice em maio bateu em 49,7 pontos, negativo, mas maior do que o de abril (48,8 pontos). A insatisfação cresce ainda mais quando se trata da economia brasileira (46,7 pontos), da economia do Estado (43,9). Em contrapartida, no que se refere às expectativas para a própria empresa, o índice ficou positivo em 51,9 pontos.

Piores números – As empresas de menor porte registraram os piores números, com uma insatisfação em relação às condições atuais de negócios que chegou a 44,7 pontos. Na sequência, as indústrias de médio porte, com 47,4 pontos, seguidas pelas de grande porte, com índice de 53,3 pontos. Todos, exceto o indicador das grandes empresas, apontam insatisfação.

De acordo com a última Pesquisa Indicadores Industriais (Index), divulgada pela Fiemg, no primeiro trimestre deste ano, a receita do parque industrial de Minas aumentou 4,4% frente ao mesmo período de 2017. Nos últimos 12 meses, terminados em março de 2018, o crescimento do faturamento é de 3,2%.

Além disso, o Index mostrou que, entre janeiro e março deste ano, a retração da força de trabalho na indústria ainda acumula uma queda de 1,4% no confronto com os mesmos meses do exercício passado. Fonte: Jornal Diário do Comércio